Operação em Monlevade e região apura fraudes que podem chegar a R$500 mil - TV Canal Dom Silvério

Participe nossa grupo

 Anuncie Aqui no TV Canal

Operação em Monlevade e região apura fraudes que podem chegar a R$500 mil

Share This

 


Um esquema de fraudes em licitações de materiais contra a Covid-19 pode ter dado um prejuízo de mais de R$500 mil a Prefeituras. Na quinta-feira da semana passada (22), João Monlevade, Itabira e São Gonçalo do Rio Abaixo foram palcos de uma operação da Polícia Civil contra fraudes em licitações. A ação, lançada pelo Departamento Estadual de Investigação de Fraudes (Deif), cumpriu onze mandados de busca e apreensão nos três municípios. O objetivo é apurar pretensos crimes em compras superfaturadas de equipamentos usados no combate à Covid-19, que eram entregues abaixo da quantidade acertada, fora das especificações previstas em edital, ou quando simplesmente não chegavam ao setor de compras.


A investigação começou em junho, depois que uma empresa de autopeças começou a participar dos certames. A suspeita é de que o dono desta firma tivesse várias outras, registradas em nome de laranjas, para fechar contratos com o poder público, e esse proprietário atuasse como representante comercial dessas empresas durante as concorrências. Os envolvidos podem responder pelo crime de organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e fraude a licitação.

Em mensagem publicada em suas contas pessoais nas redes sociais, o assessor de Comunicação da Prefeitura de João Monlevade, Thiago Bretas Moreira Gonçalves, negou que o Executivo monlevadense tenha tido algum prejuízo em licitações para compra de materiais de combate ao coronavírus. Segundo ele, a empresa vencedora de um dos certames não entregou os equipamentos demandados no edital e foi excluída do processo, sendo chamada a firma que ficou em segundo lugar. Na tarde desta terça-feira (27), a Prefeitura de São Gonçalo do Rio Abaixo também divulgou nota pública negando conhecimento de qualquer irregularidade e dizendo não ter sido chamada para prestar qualquer esclarecimento. A Prefeitura de Itabira não divulgou nota. (Com informações do G1)
Fonte: A Notícia

Nenhum comentário:

Facebook